Algumas marcas de perfume são eternizadas no mercado, e fazem muito sucesso junto ao público consumidor. Poucas, porém, conseguem revolucionar o setor, como foi o caso  dos produtos da linha Jean Paul Gaultier.

Mas, o que tem de tão bom nos perfumes lançados por essa marca? É o que vamos explicar a seguir.

Criatividade como característica principal

Conhecido pelo sugestivo apelido de “enfant terrible” (ou criança terrível) no mundo da moda, Jean Paul Gaultier pode facilmente ser considerado um pop-star do ramo. Nascido em 1952 em um subúrbio de Paris, desde pequeno ele já dava indícios de que viria a ser um grande estilista.

Desde a infância, uma de suas marcas registradas sempre foi a subversão. Tanto que é que um de seus passatempos preferidos nessa era criar bijuterias e acessórios que encontrava no lixo. E essa transgressão o acompanhou na vida adulta, quando, no mundo da moda, ousou até não poder mais. Não é de surpreender que a também transgressora Madonna tenha usado suas peças em uma de suas turnês nos anos 90.

Só que a carreira vencedora e bastante criativa de Gaultier não ficou somente no mundo da moda, com ele se aventurando também no ramo dos cosméticos, mais precisamente dos perfumes. O primeiro de todos foi um feminino lançado no ano de 1993, e que (não por coincidência) tinha uma embalagem que imitava o corpete usado por Madonna.

Com o passar do tempo, lançou um perfume exclusivo para homens, o Le Mâle, que ainda hoje é um dos mais vendidos em diversos países europeus.

Alguns diferenciais dos perfumes da marca

Uma das grandes inovações com relação aos perfumes do Jean Paul Gaultier foi, sem dúvida, o visual. Os frascos desses produtos eram bastante comuns umas décadas atrás, mas, com o famoso estilista, eles ganharam uma estética interessante e que chamou a atenção do público consumidor.

Pra se ter uma ideia, as embalagens dos perfumes dessa marca tinham formato de bustos, tanto masculino, quanto feminino. Se hoje temos tantos produtos do tipo com formatos chamativos em seus frascos, devamos, em parte, à ousadia e extravagância de Gaultier.

E só lembrando também que o inquieto estilista não parou somente nos perfumes no que se refere à área de cosméticos, já que ele também lançou na época uma linha de maquiagem direcionada somente para o público masculino, mostrando uma tendência que iria ficar cada vez mais forte: a dos metrossexuais.

Claro, ainda com relação aos perfumes da marca, não foi apenas a estética dos frascos que deixou produtos das linhas Le Mâle, Scandal e Classique no topo dos mais vendidos. As variações de fragrâncias para todos os gostos também contribuiu bastante, indo de aromas mais doces ou apimentados, a algo mais suave.

Quase trinta anos depois, público e crítica parecem ter comprado a ousadia de Gaultier, já que, vira e mexe, produtos nessa área são alguns dos mais vendidos do ano.

Conclusão

Uma das grandes facetas para o sucesso dos perfumes da marca Jean Paul Gaultier foi a visão revolucionária de seu criador. Ele percebeu o quanto o poder da imagem é tão forte quanto a qualidade do produto em si.

Com isso, criou perfumes que, além de fragrâncias variadas para todos os públicos, também introduziu no mercado a tendência de criar frascos e embalagens que fossem, de alguma forma, atrativas e que traduzissem o que o produto representa.

Visionário desde criança, Gaultier revolucionou não apenas o setor da moda, mas o ramo de perfumaria, mostrando que os melhores perfumes podem vir, sim, nos melhores frascos. E, não é preciso nem dizer que tê-los em sua loja é quase que obrigatório, não é mesmo?


Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.